Começo

Nesta floresta onde me perco, imaginária, não existem bestas ferozes. Solto os meus medos, que livres, invadem pequenas casas de madeira.


Se Nevasse no Deserto

As construções produzem sons, que não deverão ser considerados uma linguagem. Por muito que se tente traduzir os sons das construções, através deles não surgem indícios acerca do que se está a contruir.

Chamamento da Realidade

O caos convoca a humanidade para se sentar à mesa. Não quer negociar, porque o caos é inegociável – contrariando por ventura, os negócios que a humanidade estabelece no caos(…)

Tempo de Histórias

Um vagabundo escreveu na parede: “A escuridão dir-te-á o que nunca verás.”.

Tempo de Histórias

O homem aguardava próximo da passadeira, enquanto uma parafernália de carros circulava o mais rápido que conseguiam; todos eles participantes numa corrida cujos adversários são o tempo e o stress. Aquele aumento da pressão sanguínea, as alterações químicas no interior do corpo, as mensagens do hipotálamo e tudo o resto a funcionar como um rastilho… Continuar Lendo →


PAULO SOUSA

ESCRITOR


Blog no WordPress.com.

Acima ↑